“Pálpebras caídas”: conheça as principais causas

Cirurgias oculoplásticas vão muito além da estética
7 de agosto de 2018
Protegido: Uso excessivo de celulares e tablets aumenta casos de miopia entre mais jovens
26 de setembro de 2018
Exibir tudo

É comum aparecer pacientes no meu consultório reclamando de “pálpebras caídas” e  consequentemente baixa de visão.

Existem 3 condições que se confundem ao olhar leigo que podem gerar essa queixa de queda palpebral. É importante que elas sejam devidamente diagnosticadas para a correta abordagem. Ambas causam diminuição do campo visual superior, portanto são um problema de visão e causam uma aparência de cansaço na face, sendo um problema estético também. São elas: 

Dermatocálaze

Com o passar dos anos, é natural que a pele perca sua firmeza e fique mais flácida. O excesso de pele na região palpebral é chamada de dermatocálaze e é corrigido com a famosa e bastante procurada cirurgia de blefaroplastia, onde esse excesso de pele é retirado.

Ptose palpebral

Existem várias causas de ptose palpebral, sendo a mais comum o envelhecimento, onde o músculo responsável por manter a pálpebra na altura correta se desinsere, causando a queda da mesma. Essa condição deve ser corrigida por uma cirurgia que reinsere esse músculo no local correto.

Caso esse problema passe desapercebido e apenas uma blefaroplastia seja programada, o resultado não será satisfatório para o paciente.

Algumas vezes o paciente pode apresentar em conjunto o excesso de pele (dermatocálaze) e a desinserçao da pálpebra (ptose), nesse caso nada impede que ambas as condições sejam abordadas no mesmo tempo cirúrgico. O importante é o correto diagnóstico para que a melhor programação cirúrgica seja proposta.

Ptose de supercílio

Com o envelhecimento os ligamentos que sustentam o supercílio podem se afrouxar e provocar a queda do mesmo. Essa condição cria um peso sobre as pálpebras e também pode ser identificada erroneamente pelo paciente como uma pálpebra caída, quando na verdade é o supercílio que está caído.

Nesse caso, o médico deve estar atento para reposicionar o supercílio apenas, não sendo necessário abordar os tecidos palpebrais caso estes não apresentem ptose ou dermatocálaze.

Por esses motivos elencados acima, é muito importante passar por uma avaliação clínica minuciosa com um profissional experiente nas diversas condições que podem gerar a queixa de pálpebra caída. Essa diferenciação é essencial para a satisfação final do paciente.

E por fim, é muito importante um exame oftalmológico completo, por que a dificuldade visual pode estar associada a outra causas oftalmológicas, não necessariamente palpebrais, como glaucoma, problema na retina ou córnea ou catarata. Tudo isso precisa ser esclarecido antes da decisão de abordar o paciente cirurgicamente ou não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *