Ptose Palpebral: O que é, e qual a solução

Protegido: Uso excessivo de celulares e tablets aumenta casos de miopia entre mais jovens
26 de setembro de 2018
Olhinho do bebê lacrimejando: Será que é conjuntivite?
30 de outubro de 2018
Exibir tudo

O que é ptose palpebral?

A ptose palpebral ou pálpebras caídas é uma doença caracterizada pela queda da pálpebra superior, cobrindo de forma excessiva a córnea – o normal é cobrir de 1 a 2 mm da sua porção superior – causando prejuízos à visão e desconfortos estéticos.

Pode afetar apenas um dos olhos (unilateral) ou os dois (bilateral) e é dividida em dois tipos: congênita e adquirida.

A ptose palpebral congênita é genética e se manifesta desde o nascimento. Já a adquirida, como o próprio nome diz, vem com a idade e pode ser desencadeada por diversos fatores, sendo o envelhecimento, o mais comum.

Principais causas da ptose palpebral

A ptose palpebral congênita, onde a criança já nasce com as pálpebras caídas, é ocasionada pela má formação ou deficiência no desenvolvimento da musculatura e tendão elevador da pálpebra durante a gestação.

Já nos adultos, a ptose mais conhecida é a involucional, causada pelo enfraquecimento do músculo elevador das pálpebras por um processo de envelhecimento, levando a uma queda progressiva.

A ptose também pode ser ocasionada pela separação ou alongamento do tendão do músculo elevador da pálpebra, recorrente de complicações no pós-operatório de cataratas ou outras cirurgias oculares ou até uma lesão ou trauma.

Também pode ser consequência de doenças neurológicas e musculares que afetem os músculos ou nervos da pálpebra, como a miastenia gravis, uma enfermidade neuromuscular que causa fraqueza e fadiga anormal dos músculos voluntários.

Diabetes e hipertensão arterial, também podem paralisar os nervos oculares causando a doença.

Sintomas mais comuns

O sintoma mais claro da ptose é, evidentemente, a queda das pálpebras.

Mas quando o problema é resultado do envelhecimento e acontece de forma gradual, é difícil saber até que ponto é um processo natural e quando se torna um problema que necessita de avaliação e tratamento.

A dificuldade de visão é um sinal de que o problema precisa de atenção. É comum pessoas com ptose começarem a inclinar a cabeça para trás ou levantarem as sobrancelhas constantemente na tentativa de enxergar melhor.

Essa dificuldade de visão causada pela ptose pode levar a problemas mais graves se não for tratada, como o astigmatismo e o estrabismo.

Outro ponto é o estético. Muitas mulheres ficam incomodadas com o semblante cansado que as pálpebras caídas conferem e quando isso começa a afetar a autoestima, talvez seja a hora de procurar tratamento.

O diagnóstico deve ser feito por um oftalmologista através de medições da pálpebra e análise da sua força muscular, entre outros fatores.

Tratamento da ptose palpebral: cirurgia corretiva de pálpebras caídas

O tratamento da ptose palpebral é feita através de cirurgia corretiva e pode ser feita por motivos estéticos ou funcionais, quando há prejuízo na visão.

Ela permite levantar a pálpebra ou recoloca-la na sua posição normal, fazendo com que seu posicionamento não interfira na capacidade de visão e melhore a aparência estética.

Diversas técnicas podem ser utilizadas na cirurgia de correção de pálpebras caídas, dependendo da sua gravidade.

Pode-se encurtar os músculos que elevam a pálpebra ou realizar uma pequena dobra no músculo levantador, removendo o excesso de pele com a blefaroplastia.

Já em casos mais graves, em que o músculo está muito enfraquecido, a pálpebra pode ser suspensa à sobrancelha para que os músculos da testa elevem a região.

A cirurgia de ptose pode trazer complicações, como em qualquer procedimento cirúrgico, durante ou depois da intervenção. Entre eles, a infecção, olho seco e hemorragia. Porém essas complicações são raras e podem ser prevenidas com medidas adequadas.

O pós-operatório é simples e a recuperação total rápida, cerca de 2 a 3 semanas, se o paciente seguir à risca todas as recomendações médicas.

Algumas medidas também podem ajudar na prevenção das pálpebras caídas causadas pelo envelhecimento, como massagens suaves na região da testa, olhos e pescoço, compressas e exercícios visuais. Eles melhoram a circulação e elasticidade da região.

No entanto, se você tem já pálpebras caídas e o problema incomoda, seja pela dificuldade de visão como pela estética, a melhor opção é recorrer à cirurgia. O importante é fazer uma avaliação com um profissional capacitado que lhe recomendará o melhor procedimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *